terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dinheiro e amor na cultura americana.

O assunto é polêmico, então já vou logo começar dizendo uma coisa que li por ai "não estou aqui para te convencer que estou certa, e sim pra compartilhar minha opinião e mostrar pra quem concorda comigo que eles não estão sozinhos."


Postei a seguinte frase no meu Facebook "Dinheiro dura mais que amor". Muitas pessoas curtiram e comentaram, mas sei que uma grande maioria não curtiu, não comentou mas pensou "coitada, é mal comida". Tenho que dar uma pausa para rir... HahHASUaahahHASUhaauaHAauaHaiahHAHuha...
Ok, voltando. Só pra deixar claro, pra vc que pensou isso, tenho uma coisa pra dizer, não, a questão não tem nada a ver com ser mal comida, porque desse mal, alô alô graças a Deus, eu não sofro.  #pegadora

A questão é o dinheiro e o amor, simples assim. Nesse post vim contar uma coisa que é bem diferente aqui nos Estados Unidos que tem muito a ver com esse assunto. Que é como eles planejam a vida principalmente na questão de casamento e ter família. 

Quando cheguei aqui a primeira vez, eu reparei que a maioria das pessoas entre 23 a 30 anos são solteiras . E depois de ter uns casinhos com uns americanos percebi que isso é parte da cultura e que eles fogem de relacionamento sério nessa idade. No começo fiquei chocada e fiquei pensando "Como pode uma pessoa se envolver com outra e não se apaixonar porque simplesmente não está na hora ainda?". Na minha cabeça de típica brasileira, que vive as emoções à flor da pele, achei o maior absurdo quando levei um pé na bunda de um cara que já tinha me apresentado até pros pais e me levado em reunião de família. Ou seja, aquilo pra mim tava sério, até que ele chegou e disse "Sabe de uma coisa Mari, eu vou fazer uma faculdade e não quero nada sério com ninguém". 

Só anos depois que eu realmente entendi o porque que ele fez aquilo - mas ainda assim ele é um palhaço.

Nos Estados Unidos as pessoas tem um ciclo de vida que é o seguinte: 1-) sair da casa dos pais, 2-) se formar numa facu, 3-) arrumar um emprego, 4-) crescer no emprego, 5-) começar a namorar, 6-) casar,
7-) comprar uma casa, 8-) ter filhos.

É raro vc ver casais que namoram por namorar. Quem namora, de duas uma, ou é porque já está na fase 5 do ciclo de vida deles ou porque é emocional mesmo e não consegue ficar sozinho - apesar desse segundo motivo ser o perfil do brasileiro, tem alguns americanos assim também, mas são poucos.

Nesse ponto, eu me identifico muito mais com a cultura americana. Pow, existe algo mais racional do que vc querer ser alguém na vida primeiro pra depois pensar em família? E é ai que entra o dinheiro, porque vc vê famílias bem de vida nos Estados Unidos? Porque eles planejam. Antes de ter uma penca de filhos, eles pensam se vão poder prover o que uma família precisa, que é saúde, educação, alimentação, moradia e diversão. 

Porque o dinheiro dura mais que o amor? Vamos deixar o mundo da fantasia de lado e acordar pra realidade. Quando o casal começa a enfrentar as contas e perceber que não consegue dar tudo que uma família precisa pra viver dignamente, o que acontece? Brigas. E o que acontece com o amor? Se desgasta. 

Estamos cansados de saber que o amor pode durar até vc morrer, ou não, e que pencas de casais se separam, e o amor vai pro beleleu, e o que sobra? Dinheiro. Se o casal tem dinheiro, as complicações de um divorcio são menores. CLARO que tem o fato de que muitas pessoas mesmo tendo rios de dinheiro acham problema em outras coisas, mas não vou falar sobre essas exceções. Vou falar num geral, se um casal que tem filhos resolve se separar, se eles tiverem grana e tudo planejado para o futuro das crianças, é um PUTA (em letras bem garrafais) de um problema a menos.

Se o casal tem dinheiro e resolvem uma separação amigável, sem mimimis e sem dramas, cada um vai pra um lado, toca sua vida e até acha outra pessoa. E tudo isso numa boa, porque as necessidades de saúde, educação etc e tal, o dinheiro resolve. Agora pensa num casal que não tem grana, que casaram cedo, tiveram filhos sem planejar, imagina a complicação que vai ser pra tocar a vida da família se o amor acabar. 

Não estou criticando o amor, até porque, quem é que namora ou casa sem amor? Ops.. Até tem, as famosas pessoas interesseiras, mas isso é outro assunto. Onde quero chegar é que antes de se aprofundar no mundo dos príncipes encantados e das princesas de cabelos dourados e compridos, vamos pensar um pouco com o cérebro. Hoje eu agradeço muito aquele palhaço que me fez enxergar que eu estava pensando emocionalmente na época, porque talvez hoje eu seria mais uma com uma família não planejada.

4 comentários:

  1. Adorei o post Mari, e ó. Depois de 6 anos em um relacionamento onde só eu me entreguei, hoje em dia dou muito mais valor para as minhas viagens do que para os romances de gavetas. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha boa Andréia. obrigada pelo comentário :)

      Excluir
  2. Está certíssima, tenho 20 anos e tenho a impressão que os brasileiros precisam de uma relacionamento para serem considerados adultos pela família , eu mesma to nem aí...mas a sociedade brasileira é machista e a mulher tem seguir o caminho que quiser sem ligar para a opinião alheia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Gabriela! Obrigada pelo comentário. O machismo ta em todo lugar infelizmente, nos Estados Unidos tbm rola proconceito com mulher solteira depois dos 30 :/ ... É ridiculo isso!

      Excluir

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Dinheiro e amor na cultura americana.

O assunto é polêmico, então já vou logo começar dizendo uma coisa que li por ai "não estou aqui para te convencer que estou certa, e sim pra compartilhar minha opinião e mostrar pra quem concorda comigo que eles não estão sozinhos."


Postei a seguinte frase no meu Facebook "Dinheiro dura mais que amor". Muitas pessoas curtiram e comentaram, mas sei que uma grande maioria não curtiu, não comentou mas pensou "coitada, é mal comida". Tenho que dar uma pausa para rir... HahHASUaahahHASUhaauaHAauaHaiahHAHuha...
Ok, voltando. Só pra deixar claro, pra vc que pensou isso, tenho uma coisa pra dizer, não, a questão não tem nada a ver com ser mal comida, porque desse mal, alô alô graças a Deus, eu não sofro.  #pegadora

A questão é o dinheiro e o amor, simples assim. Nesse post vim contar uma coisa que é bem diferente aqui nos Estados Unidos que tem muito a ver com esse assunto. Que é como eles planejam a vida principalmente na questão de casamento e ter família. 

Quando cheguei aqui a primeira vez, eu reparei que a maioria das pessoas entre 23 a 30 anos são solteiras . E depois de ter uns casinhos com uns americanos percebi que isso é parte da cultura e que eles fogem de relacionamento sério nessa idade. No começo fiquei chocada e fiquei pensando "Como pode uma pessoa se envolver com outra e não se apaixonar porque simplesmente não está na hora ainda?". Na minha cabeça de típica brasileira, que vive as emoções à flor da pele, achei o maior absurdo quando levei um pé na bunda de um cara que já tinha me apresentado até pros pais e me levado em reunião de família. Ou seja, aquilo pra mim tava sério, até que ele chegou e disse "Sabe de uma coisa Mari, eu vou fazer uma faculdade e não quero nada sério com ninguém". 

Só anos depois que eu realmente entendi o porque que ele fez aquilo - mas ainda assim ele é um palhaço.

Nos Estados Unidos as pessoas tem um ciclo de vida que é o seguinte: 1-) sair da casa dos pais, 2-) se formar numa facu, 3-) arrumar um emprego, 4-) crescer no emprego, 5-) começar a namorar, 6-) casar,
7-) comprar uma casa, 8-) ter filhos.

É raro vc ver casais que namoram por namorar. Quem namora, de duas uma, ou é porque já está na fase 5 do ciclo de vida deles ou porque é emocional mesmo e não consegue ficar sozinho - apesar desse segundo motivo ser o perfil do brasileiro, tem alguns americanos assim também, mas são poucos.

Nesse ponto, eu me identifico muito mais com a cultura americana. Pow, existe algo mais racional do que vc querer ser alguém na vida primeiro pra depois pensar em família? E é ai que entra o dinheiro, porque vc vê famílias bem de vida nos Estados Unidos? Porque eles planejam. Antes de ter uma penca de filhos, eles pensam se vão poder prover o que uma família precisa, que é saúde, educação, alimentação, moradia e diversão. 

Porque o dinheiro dura mais que o amor? Vamos deixar o mundo da fantasia de lado e acordar pra realidade. Quando o casal começa a enfrentar as contas e perceber que não consegue dar tudo que uma família precisa pra viver dignamente, o que acontece? Brigas. E o que acontece com o amor? Se desgasta. 

Estamos cansados de saber que o amor pode durar até vc morrer, ou não, e que pencas de casais se separam, e o amor vai pro beleleu, e o que sobra? Dinheiro. Se o casal tem dinheiro, as complicações de um divorcio são menores. CLARO que tem o fato de que muitas pessoas mesmo tendo rios de dinheiro acham problema em outras coisas, mas não vou falar sobre essas exceções. Vou falar num geral, se um casal que tem filhos resolve se separar, se eles tiverem grana e tudo planejado para o futuro das crianças, é um PUTA (em letras bem garrafais) de um problema a menos.

Se o casal tem dinheiro e resolvem uma separação amigável, sem mimimis e sem dramas, cada um vai pra um lado, toca sua vida e até acha outra pessoa. E tudo isso numa boa, porque as necessidades de saúde, educação etc e tal, o dinheiro resolve. Agora pensa num casal que não tem grana, que casaram cedo, tiveram filhos sem planejar, imagina a complicação que vai ser pra tocar a vida da família se o amor acabar. 

Não estou criticando o amor, até porque, quem é que namora ou casa sem amor? Ops.. Até tem, as famosas pessoas interesseiras, mas isso é outro assunto. Onde quero chegar é que antes de se aprofundar no mundo dos príncipes encantados e das princesas de cabelos dourados e compridos, vamos pensar um pouco com o cérebro. Hoje eu agradeço muito aquele palhaço que me fez enxergar que eu estava pensando emocionalmente na época, porque talvez hoje eu seria mais uma com uma família não planejada.

4 comentários:

  1. Adorei o post Mari, e ó. Depois de 6 anos em um relacionamento onde só eu me entreguei, hoje em dia dou muito mais valor para as minhas viagens do que para os romances de gavetas. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha boa Andréia. obrigada pelo comentário :)

      Excluir
  2. Está certíssima, tenho 20 anos e tenho a impressão que os brasileiros precisam de uma relacionamento para serem considerados adultos pela família , eu mesma to nem aí...mas a sociedade brasileira é machista e a mulher tem seguir o caminho que quiser sem ligar para a opinião alheia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Gabriela! Obrigada pelo comentário. O machismo ta em todo lugar infelizmente, nos Estados Unidos tbm rola proconceito com mulher solteira depois dos 30 :/ ... É ridiculo isso!

      Excluir

Receba um e-mail quando o blog for atualizado