sábado, 1 de maio de 2010

Ok, time to be (a little bit) funny!


Chega de filosofias baratas, hora de contar um pouco da comédia da minha vida privada para vocês rirem um pouco, nem tanto, só um pouquinho. Essa vida de Aupair...isso ai, NÃO é fácil, e acontece cada uma inacreditável. Tenho sido um pouco séria ultimamente porque nada de engraçado vem acontecendo, a real é que estou trabalhando que nem uma condenada e não tenho tido mais tempo de sair por ai aprontando para contar pra vocês depois.Os últimos ocorridos não são engraçados, mas como todos sabemos que Aupair tem que ter o c... de ferro, eu vou levando as coisas com humor.

Bom, a minha chefe resolveu arrumar outro emprego, bem, eles não me parecem estar em más condições financeiras, então o motivo dela ter arrumado outro trampo (não gosto mto de usar algumas gírias, mas este blog é público e estou dificultando a possibilidade de uma tradução, vcs me entendem né?) é bem estranho. Será que ela quer fugir das pestes? ter mais grana pra gastar no shopping, ou só pra aumentar o meu trampo? Não sei, sei que to trabalhando pra casseta. Uma coisa boa foi que, mesmo assim não tem atrapalhado os outros 2 empregos que eu arrumei, mas eu tô ficando muito exausta que nem ir pra balada tô aguentando mais.

Desde que eu comecei a working my ass of eu não tenho aguentado badalação, COMO ASSIM? Logo eu, fanfarrona, piriguete e baladeira de plantão, pois é, percebi ontem
que a minha aponsentadoria da night life tá chegando.Fazia muito tempo que não ia pras baladas em DC, aqui pela área, lá é onde está a concentração de lugares mais
badalados. Então agitei as meninas para irmos pra lá. O tempo tava maravilhoso, um calorzinho muito agradável, e eu estava louca para estreiar minha sandália nova (L-I-N-D-A), e lá vamos eu e mais 4 piriguetes em direção a DC. Juro que não aguentei nem duas horas naquele lugar, até tinha uns caras gracinhas (tudo da Army, eeeita nois) e o DJ tava mandando muito bem nas músicas, bebi uma Marguerita que me deixou um pouco quente, só que eu precisava ter bebido mais uma pra começar a rir a toa e atacar os gracinhas da Army, pensei em comprar outra, mas o cansaço bateu e eu sentei, nem 5 minutos depois o "quente" passou e eu já desanimei. Ainda bem que as meninas também estavam na vibe de ir embora e acabamos abandonando a balada 2 horas depois que chegamos.

Acho que tô sofrendo de velhice precoce (que nem disse uma amiga), fora que depois de um ano aqui tudo cansa, por isso, tô sussegando o faixo. O problema é que qto mais sussego mais carente a gente fica, eu já tô um poço de carência, agora sem nenhum gatinho em vista, piorou. Quer dizer, o marinheiro me mandou mensagem ontem, mas tinhamos meio que combinado de nos ver na quarta passada, mas ele nem deu sinal de vida e ontem me aparece a margarida dizendo que estava free hoje à noite, porém, além de eu ter que trabalhar, eu acho que ele tá querendo que eu dirija até a cidade dele de novo, pow, é uma hora de distância, falei que eu ia trabalhar até tarde para ver se ele se toca e vem até aqui mas ai ele respondeu que nos falariamos depois, aposto que vai sumir ¬¬. O problema é que qualquer coisa entre a gente é logísticamente impossível. Ele mora longe, na base da Marinha, ou seja, receber gente no quarto dele é meio complicado, ele é menor de idade - significa que entrar em bar e baladas é uma pain in the ass - e não tem carro, enfim, é uma pena, mas vou ter que descartar esse belo corpinho.

Hoje falei com a minha mãe e com meu pai no telefone, eu tô ficando meio homesick com essa canseira toda, ai pego o telefone, ligo pra eles e fico mais de uma hora conversando, isso me alivia muito. Meu pai é um cara bem otimista e me disse pra aguentar firme que logo logo tudo isso passa e tem certeza que quando eu chegar não ficarei nem um mês desempregada, porque terei muitas oportunidades pois meu currículo vai estar muito bom. Apesar de eu saber que a vida no Brasil não é fácil pra ninguém, continuo confiante que vai dar tudo certo. E também se não der, eu volto pros Estados Unidos e arrumo um emprego de dançarina de night club em Nova York, que ouvi dizer que faz 500 dólares por noite só para dançar (vestida) num palco que ninguém alcança, pow, mamata. (HAUshAsuHAsHSAuhAUShu)

3 comentários:

  1. Oi Mari!

    Primeira vez aqui!
    Vou ser Au Pair na California e vi que vc gosta do Hanson, rsrsrsr, eu tbm, rsrsrs.
    Vou te linkar, ok!?

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. oiee!!
    eu aki de nvoooooo
    fiaaa ...to mudando de objetivo...q au pair o q ...vou dançar numa boatee agora kkkkkkk
    eu tbm to ficando quebrada na escola q eu fzndo esatgio...sao 9 crianças...mass fz o q ...to adorandooo
    beijo :)

    ResponderExcluir
  3. Mariiiiiii,q bom q vc deixou os posts sérios um pouco de lado! Ri demais com esse! A autora do Velhice Precoce sou eu ou estou sendo pretenciosa?? ahahahahaha
    Adoreiiiiiiiii

    ResponderExcluir

sábado, 1 de maio de 2010

Ok, time to be (a little bit) funny!


Chega de filosofias baratas, hora de contar um pouco da comédia da minha vida privada para vocês rirem um pouco, nem tanto, só um pouquinho. Essa vida de Aupair...isso ai, NÃO é fácil, e acontece cada uma inacreditável. Tenho sido um pouco séria ultimamente porque nada de engraçado vem acontecendo, a real é que estou trabalhando que nem uma condenada e não tenho tido mais tempo de sair por ai aprontando para contar pra vocês depois.Os últimos ocorridos não são engraçados, mas como todos sabemos que Aupair tem que ter o c... de ferro, eu vou levando as coisas com humor.

Bom, a minha chefe resolveu arrumar outro emprego, bem, eles não me parecem estar em más condições financeiras, então o motivo dela ter arrumado outro trampo (não gosto mto de usar algumas gírias, mas este blog é público e estou dificultando a possibilidade de uma tradução, vcs me entendem né?) é bem estranho. Será que ela quer fugir das pestes? ter mais grana pra gastar no shopping, ou só pra aumentar o meu trampo? Não sei, sei que to trabalhando pra casseta. Uma coisa boa foi que, mesmo assim não tem atrapalhado os outros 2 empregos que eu arrumei, mas eu tô ficando muito exausta que nem ir pra balada tô aguentando mais.

Desde que eu comecei a working my ass of eu não tenho aguentado badalação, COMO ASSIM? Logo eu, fanfarrona, piriguete e baladeira de plantão, pois é, percebi ontem
que a minha aponsentadoria da night life tá chegando.Fazia muito tempo que não ia pras baladas em DC, aqui pela área, lá é onde está a concentração de lugares mais
badalados. Então agitei as meninas para irmos pra lá. O tempo tava maravilhoso, um calorzinho muito agradável, e eu estava louca para estreiar minha sandália nova (L-I-N-D-A), e lá vamos eu e mais 4 piriguetes em direção a DC. Juro que não aguentei nem duas horas naquele lugar, até tinha uns caras gracinhas (tudo da Army, eeeita nois) e o DJ tava mandando muito bem nas músicas, bebi uma Marguerita que me deixou um pouco quente, só que eu precisava ter bebido mais uma pra começar a rir a toa e atacar os gracinhas da Army, pensei em comprar outra, mas o cansaço bateu e eu sentei, nem 5 minutos depois o "quente" passou e eu já desanimei. Ainda bem que as meninas também estavam na vibe de ir embora e acabamos abandonando a balada 2 horas depois que chegamos.

Acho que tô sofrendo de velhice precoce (que nem disse uma amiga), fora que depois de um ano aqui tudo cansa, por isso, tô sussegando o faixo. O problema é que qto mais sussego mais carente a gente fica, eu já tô um poço de carência, agora sem nenhum gatinho em vista, piorou. Quer dizer, o marinheiro me mandou mensagem ontem, mas tinhamos meio que combinado de nos ver na quarta passada, mas ele nem deu sinal de vida e ontem me aparece a margarida dizendo que estava free hoje à noite, porém, além de eu ter que trabalhar, eu acho que ele tá querendo que eu dirija até a cidade dele de novo, pow, é uma hora de distância, falei que eu ia trabalhar até tarde para ver se ele se toca e vem até aqui mas ai ele respondeu que nos falariamos depois, aposto que vai sumir ¬¬. O problema é que qualquer coisa entre a gente é logísticamente impossível. Ele mora longe, na base da Marinha, ou seja, receber gente no quarto dele é meio complicado, ele é menor de idade - significa que entrar em bar e baladas é uma pain in the ass - e não tem carro, enfim, é uma pena, mas vou ter que descartar esse belo corpinho.

Hoje falei com a minha mãe e com meu pai no telefone, eu tô ficando meio homesick com essa canseira toda, ai pego o telefone, ligo pra eles e fico mais de uma hora conversando, isso me alivia muito. Meu pai é um cara bem otimista e me disse pra aguentar firme que logo logo tudo isso passa e tem certeza que quando eu chegar não ficarei nem um mês desempregada, porque terei muitas oportunidades pois meu currículo vai estar muito bom. Apesar de eu saber que a vida no Brasil não é fácil pra ninguém, continuo confiante que vai dar tudo certo. E também se não der, eu volto pros Estados Unidos e arrumo um emprego de dançarina de night club em Nova York, que ouvi dizer que faz 500 dólares por noite só para dançar (vestida) num palco que ninguém alcança, pow, mamata. (HAUshAsuHAsHSAuhAUShu)

3 comentários:

  1. Oi Mari!

    Primeira vez aqui!
    Vou ser Au Pair na California e vi que vc gosta do Hanson, rsrsrsr, eu tbm, rsrsrs.
    Vou te linkar, ok!?

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. oiee!!
    eu aki de nvoooooo
    fiaaa ...to mudando de objetivo...q au pair o q ...vou dançar numa boatee agora kkkkkkk
    eu tbm to ficando quebrada na escola q eu fzndo esatgio...sao 9 crianças...mass fz o q ...to adorandooo
    beijo :)

    ResponderExcluir
  3. Mariiiiiii,q bom q vc deixou os posts sérios um pouco de lado! Ri demais com esse! A autora do Velhice Precoce sou eu ou estou sendo pretenciosa?? ahahahahaha
    Adoreiiiiiiiii

    ResponderExcluir

Receba um e-mail quando o blog for atualizado