segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Azar no amor, sorte no jogo.


Pois é, pensando nisso que decidi: Preciso ir pra Vegas. Já postei várias vezes sobre relacionamentos, mas nunca contei sobre o desastre que sou com esse o tal de "Amor". Me lembro quando tinha uns 6 anos e tive que dançar quadrilha na escola, uma das únicas coisas que me lembro, além do vestidinho rosa quadriculado (que as fotos não me deixam esquecer), foi o fato de ter ficado "p" da vida com a professora que não me deixou dançar com o garoto que eu gostava, fiquei decepcionada e com cara de orifício a quadrilha toda, para você ver que o desastre vem desde cedo.


Todos caras que eu me interessava ou namorava, ou eram mais velhos e só queriam saber das meninas mais velhas ainda, ou gostavam da minha irmã ou das minhas amigas. De mim mesmo, ninguém queria saber. Mas também eu sempre fui uma "apagadinha": magrelinha, branquela, baixinha e ainda por cima revoltada. Mas nunca fui muito de me importar com essas coisas, era muleca. Então queria mais saber de zoar, pular muro, importunar os vizinhos, irritar meu irmão e por ai vai. Fui daquelas "Meninos? Blé!" até bem tarde.

Até ter uma paixonite louca por um menino que namorava uma outra menina. Nunca vi gostar tanto de uma pessoa que nunca deu um beijo, mas beleza. Quando o tal terminou o namoro, fui inventar de me declarar e pra piorar... por carta. Levei um fora simpático, a desculpa dele foi que eramos amigos e não queria estragar a amizade...lógico, e eu sou o Bozo! E na mesma noite ele beijou outra amiga dele. Foi ai que cai na real que só encontraria os que "mijam torto". Entre esse e outros, só bagunçados cruzaram meu caminho. Namorado de verdade só tive um, que não tive do que reclamar, mas pessoas que não nascem com sorte pro amor, como eu, algo sempre da errado, por isso chegou ao fim.

Mais uma vez, ou melhor, mais muitas vezes, mais e mais bagunçados no meu caminho. Um belo dia, melhor... uma bela noite, fui com uma companheira de piriguetagem numa balada. Estavamos na pista e um cara me tirou pra dançar, olhei no rosto do indivíduo e pensei: - Zuadinho. Mas o cara era tão estiloso (quem me conhece sabe, que eu sou chata com estilo) que resolvi dançar com ele. Pronto, 3 samba-rocks depois, eu estava apaixonada pelo cara. Fiquei conversando com ele: gente boa, simpático, estiloso e ainda morava no mesmo bairro que eu. Mas ele não tomou partido e acabei indo embora sem beijar e sem fazer cadastro (fazer cadastro = pegar telefone do cara que você tá a fim pra ver se rola alguma coisa). No dia seguinte, comentei com uma amiga de trabalho, que inclusive também morava no mesmo bairro que eu, descrevi o moço pra ela e pra minha surpresa, ela o conhecia e me disse que ele namorava. Conclusão: mais um sem futuro na lista de Mari Proença.

Eu sempre fui chegada num loirinho, quando eu tinha 13 anos falava que só ia casar se fosse com o sósia do Taylor Hanson ou do Leonardo DiCaprio. Falei tanto que meu primeiro namorado foi moreno, mas bonito, tá pensando o quê? Quando cheguei nos Estados Unidos, pensei: Tô no paraíso dos loiros, vô passar o rôdo! Não conheço nem um terço do mundo, mas nunca vi tanto homem bonito por metro quadrado. Na verdade, meu conceito mudou um pouco depois de um tempo, existe sim muito ogro por aqui também, e depois que descobri a Alemanha, não estive lá, mas tive a oportunidade de conhecer um pouquinho de como são, vamos dizer assim, os Lovers alemães, tenho certeza que os EUA não chega nem perto do paraíso. Obs: não desmerecendo JAMAIS o Brasil, que também tem seus tesouros.

Voltando ao assunto que eu achei que estava no Paraíso dos homens perfeitos quando cheguei nos EUA, meu azar com querido amor continuou a mesma coisa. Na verdade, não posso colocar toda culpa na coitada da má sorte, porque, muitas vezes eu que fui atrás de encrenca. Eu só atraio cara mais novo, não sei qual é o meu problema, até comecei a me vestir mais "perua" pra ver se esses "high school musical" param de vir atrás de mim, e muleque, as mulheres já sabem como funciona... só pensam naquilo. Confesso que não deixei passar alguns jovenzinhos, e uma vez resolvi encontrar um numa balada, chegando lá ele me perguntou se eu queria beber alguma coisa, eu disse que sim, uma cerveja. O belezinha olhou pra mim e disse: - Você que vai pagar, ou quer que eu pague?. Quero saber nos comentários o que vocês acham que eu respondi.

Pra variar, estou dura e não poderei passar o ano novo em Vegas, como eu queria. Entretanto, tenho a certeza que quando botar o meus pés naqueles Cassinos, vou ficar no mínimo milionária.

9 comentários:

  1. eu sei o q vc respndeu! : "EU PAGAR? NAOOO VC QUEM PAGUE, ALIAS... VC VAI PASSAR O CARTAO"?
    HAAHAHHAAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHHAAHAH
    eu Ri do " Alemanha rules. Os EUA nao chegam nem perto" CERTEZA Q NAO. eu quem o diga ate o mendigo q eu me deparava era coisa mais linda do mundo!
    ps. mineis precisamos mudar este template o fundo atrapalha a leitura.

    bj ineis

    ResponderExcluir
  2. hahahaha Mari!!!!
    parece que estava lendo a minha vida!!! hahahaha
    somos 2
    realmente esse "tal amor" eh msm complicado... e homens mais complicados ainda...
    que sabe em Vegas a gnt nao tem mais sorte msm!
    Adorei seu blog!
    Bjao!!!
    Lis

    ResponderExcluir
  3. fanfa quando esses cara vie fala " e ai meu ses ainda que sê mais fanfa que eu?"

    não importa agente é fanfa o resto é o resto


    vc faz mor falta aqui seriao


    bjo fanfa amo vc!!!

    ResponderExcluir
  4. Ah Mari, esse departamento da mnha vida tb eh uma droga, viu?! E vo te contar, ainda nao fiquei rica em Vegas, mas me divirto horrores!! hauhauah
    Pode vir, que mesmo sem dinheiro, nao vai se arrepender rsrs

    Bjoss!

    ResponderExcluir
  5. OI XELULARRRRRRR, caramba sair do Brasil para passar pererê nos E.U.A é zuado hein kkk, bom acho que quando o cara perguntou se você pagaria, no minimo vc disse para ele (oi eu não fumo) kkkk palhaçada, pelo menos aqui no Brasil os caras pagam certo.
    Mari muito juizo e não precisa ficar procurando o grande amor da sua vida que ele vai aparecer, por isso existe o ditado (antes só do que mau acompanhada).
    Beijo enorme gata que saudade de você.

    Adriane

    ResponderExcluir
  6. Eita negocio complicado hein kkkk.

    ResponderExcluir
  7. Driiii, xelulaaaar! nao creiooo!
    KD vc minha filha?? Sumiu!
    Saudadeees! kd vc no msn? me add: fale.com.mari@hotmail.com

    bjsss

    ResponderExcluir
  8. Polinhaaaaaaaa...estava lendo seu post e foi passando um filminho na cabeça rs...a Dri está certa "Antes só do que mal acompanhada". Continue escrevendoo,adorooo ler suas histórias rs...tenho certeza que ainda irei ler alguma coluna sua em revistas de sucesso! Miss ya DEMAISSSSSSSSSSS rs. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. hauauauauauuauaa

    Taylor... aff tb fui louca por esse cara! kkkk

    mas aqui, não tem problema não! uma hora a sua sorte vai virar! daí vai ser pra valer (vc vai ver) então aproveita a solteirisse e corre pra Vegas pra pegar um bom dinheiroooo!!! =D
    bjs

    ResponderExcluir

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Azar no amor, sorte no jogo.


Pois é, pensando nisso que decidi: Preciso ir pra Vegas. Já postei várias vezes sobre relacionamentos, mas nunca contei sobre o desastre que sou com esse o tal de "Amor". Me lembro quando tinha uns 6 anos e tive que dançar quadrilha na escola, uma das únicas coisas que me lembro, além do vestidinho rosa quadriculado (que as fotos não me deixam esquecer), foi o fato de ter ficado "p" da vida com a professora que não me deixou dançar com o garoto que eu gostava, fiquei decepcionada e com cara de orifício a quadrilha toda, para você ver que o desastre vem desde cedo.


Todos caras que eu me interessava ou namorava, ou eram mais velhos e só queriam saber das meninas mais velhas ainda, ou gostavam da minha irmã ou das minhas amigas. De mim mesmo, ninguém queria saber. Mas também eu sempre fui uma "apagadinha": magrelinha, branquela, baixinha e ainda por cima revoltada. Mas nunca fui muito de me importar com essas coisas, era muleca. Então queria mais saber de zoar, pular muro, importunar os vizinhos, irritar meu irmão e por ai vai. Fui daquelas "Meninos? Blé!" até bem tarde.

Até ter uma paixonite louca por um menino que namorava uma outra menina. Nunca vi gostar tanto de uma pessoa que nunca deu um beijo, mas beleza. Quando o tal terminou o namoro, fui inventar de me declarar e pra piorar... por carta. Levei um fora simpático, a desculpa dele foi que eramos amigos e não queria estragar a amizade...lógico, e eu sou o Bozo! E na mesma noite ele beijou outra amiga dele. Foi ai que cai na real que só encontraria os que "mijam torto". Entre esse e outros, só bagunçados cruzaram meu caminho. Namorado de verdade só tive um, que não tive do que reclamar, mas pessoas que não nascem com sorte pro amor, como eu, algo sempre da errado, por isso chegou ao fim.

Mais uma vez, ou melhor, mais muitas vezes, mais e mais bagunçados no meu caminho. Um belo dia, melhor... uma bela noite, fui com uma companheira de piriguetagem numa balada. Estavamos na pista e um cara me tirou pra dançar, olhei no rosto do indivíduo e pensei: - Zuadinho. Mas o cara era tão estiloso (quem me conhece sabe, que eu sou chata com estilo) que resolvi dançar com ele. Pronto, 3 samba-rocks depois, eu estava apaixonada pelo cara. Fiquei conversando com ele: gente boa, simpático, estiloso e ainda morava no mesmo bairro que eu. Mas ele não tomou partido e acabei indo embora sem beijar e sem fazer cadastro (fazer cadastro = pegar telefone do cara que você tá a fim pra ver se rola alguma coisa). No dia seguinte, comentei com uma amiga de trabalho, que inclusive também morava no mesmo bairro que eu, descrevi o moço pra ela e pra minha surpresa, ela o conhecia e me disse que ele namorava. Conclusão: mais um sem futuro na lista de Mari Proença.

Eu sempre fui chegada num loirinho, quando eu tinha 13 anos falava que só ia casar se fosse com o sósia do Taylor Hanson ou do Leonardo DiCaprio. Falei tanto que meu primeiro namorado foi moreno, mas bonito, tá pensando o quê? Quando cheguei nos Estados Unidos, pensei: Tô no paraíso dos loiros, vô passar o rôdo! Não conheço nem um terço do mundo, mas nunca vi tanto homem bonito por metro quadrado. Na verdade, meu conceito mudou um pouco depois de um tempo, existe sim muito ogro por aqui também, e depois que descobri a Alemanha, não estive lá, mas tive a oportunidade de conhecer um pouquinho de como são, vamos dizer assim, os Lovers alemães, tenho certeza que os EUA não chega nem perto do paraíso. Obs: não desmerecendo JAMAIS o Brasil, que também tem seus tesouros.

Voltando ao assunto que eu achei que estava no Paraíso dos homens perfeitos quando cheguei nos EUA, meu azar com querido amor continuou a mesma coisa. Na verdade, não posso colocar toda culpa na coitada da má sorte, porque, muitas vezes eu que fui atrás de encrenca. Eu só atraio cara mais novo, não sei qual é o meu problema, até comecei a me vestir mais "perua" pra ver se esses "high school musical" param de vir atrás de mim, e muleque, as mulheres já sabem como funciona... só pensam naquilo. Confesso que não deixei passar alguns jovenzinhos, e uma vez resolvi encontrar um numa balada, chegando lá ele me perguntou se eu queria beber alguma coisa, eu disse que sim, uma cerveja. O belezinha olhou pra mim e disse: - Você que vai pagar, ou quer que eu pague?. Quero saber nos comentários o que vocês acham que eu respondi.

Pra variar, estou dura e não poderei passar o ano novo em Vegas, como eu queria. Entretanto, tenho a certeza que quando botar o meus pés naqueles Cassinos, vou ficar no mínimo milionária.

9 comentários:

  1. eu sei o q vc respndeu! : "EU PAGAR? NAOOO VC QUEM PAGUE, ALIAS... VC VAI PASSAR O CARTAO"?
    HAAHAHHAAHHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAAHAHAHHAAHAH
    eu Ri do " Alemanha rules. Os EUA nao chegam nem perto" CERTEZA Q NAO. eu quem o diga ate o mendigo q eu me deparava era coisa mais linda do mundo!
    ps. mineis precisamos mudar este template o fundo atrapalha a leitura.

    bj ineis

    ResponderExcluir
  2. hahahaha Mari!!!!
    parece que estava lendo a minha vida!!! hahahaha
    somos 2
    realmente esse "tal amor" eh msm complicado... e homens mais complicados ainda...
    que sabe em Vegas a gnt nao tem mais sorte msm!
    Adorei seu blog!
    Bjao!!!
    Lis

    ResponderExcluir
  3. fanfa quando esses cara vie fala " e ai meu ses ainda que sê mais fanfa que eu?"

    não importa agente é fanfa o resto é o resto


    vc faz mor falta aqui seriao


    bjo fanfa amo vc!!!

    ResponderExcluir
  4. Ah Mari, esse departamento da mnha vida tb eh uma droga, viu?! E vo te contar, ainda nao fiquei rica em Vegas, mas me divirto horrores!! hauhauah
    Pode vir, que mesmo sem dinheiro, nao vai se arrepender rsrs

    Bjoss!

    ResponderExcluir
  5. OI XELULARRRRRRR, caramba sair do Brasil para passar pererê nos E.U.A é zuado hein kkk, bom acho que quando o cara perguntou se você pagaria, no minimo vc disse para ele (oi eu não fumo) kkkk palhaçada, pelo menos aqui no Brasil os caras pagam certo.
    Mari muito juizo e não precisa ficar procurando o grande amor da sua vida que ele vai aparecer, por isso existe o ditado (antes só do que mau acompanhada).
    Beijo enorme gata que saudade de você.

    Adriane

    ResponderExcluir
  6. Eita negocio complicado hein kkkk.

    ResponderExcluir
  7. Driiii, xelulaaaar! nao creiooo!
    KD vc minha filha?? Sumiu!
    Saudadeees! kd vc no msn? me add: fale.com.mari@hotmail.com

    bjsss

    ResponderExcluir
  8. Polinhaaaaaaaa...estava lendo seu post e foi passando um filminho na cabeça rs...a Dri está certa "Antes só do que mal acompanhada". Continue escrevendoo,adorooo ler suas histórias rs...tenho certeza que ainda irei ler alguma coluna sua em revistas de sucesso! Miss ya DEMAISSSSSSSSSSS rs. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. hauauauauauuauaa

    Taylor... aff tb fui louca por esse cara! kkkk

    mas aqui, não tem problema não! uma hora a sua sorte vai virar! daí vai ser pra valer (vc vai ver) então aproveita a solteirisse e corre pra Vegas pra pegar um bom dinheiroooo!!! =D
    bjs

    ResponderExcluir

Receba um e-mail quando o blog for atualizado